Cebola Crua com Sal e Broa

de

20,00€ 18,00€

Eterno contador de histórias, Miguel Sousa Tavares abandonou a advocacia para se dedicar ao jornalismo, primeiro, e à escrita literária, depois. Fruto de uma carreira rica de experiências e cheia de convicções fortes e consistentes, tornou-se numa das grandes personalidades portuguesas das últimas décadas.  Neste seu novo livro, o autor transforma as suas vivências em histórias imperdíveis sobre o nosso passado comum e a construção de um homem.


PORTES: GRÁTIS DISPONIBILIDADE: Em Stock
ISBN: 9789897244056 Páginas: 368 Dimensões: 23.50 x 15.50 x 2.40 cm Peso: 582 Categoria: Temática:

Este livro é o testemunho de uma vida única com a História contemporânea de Portugal como fundo. Dos primeiros anos, passados numa quinta no Marão, à juventude numa Lisboa cinzenta interrompida por uma revolução muito familiar; da descoberta do mundo através dos livros, dos jornais e da televisão às incursões na política numa democracia cheia de encantos e contradições. 

Uma quinta no Marão e a escola igual para todos. Os Verões nas praias da Granja e de Lagos. "Melville" e a pesca da lula «ao candeio». Uma casa diferente e alternativa. Marcelo e as lutas estudantis. O pai e o 25 de Abril. A PIDE e as loucuras do PREC. O trabalho no Estado. A liberdade nos jornais e o fascinante mundo da televisão. Soares, Guterres e Sócrates. As paixões pelo jornalismo e pela literatura. As promessas de vida cumpridas e as juras por cumprir...

«Pode um homem viver impunemente começando a sua infância numa aldeia do Marão, comendo cebola crua com sal todas as merendas? Daí saltar para o mundo cinzento e as manhãs submersas da vida salazarenta da Lisboa dos anos sessenta? Acordar na manhã luminosa do 25 de Abril e descobrir que, afinal, éramos todos anti-fascistas e revolucionários e, logo depois, ir ao encontro do mundo e descobrir-se a si mesmo como uma testemunha privilegiada de tempos incríveis que, não os narrando, teria sepultado para sempre na cinza dos dias inúteis? Declaro que vi. E, por isso, conto. Antes que a água tudo lave e apague.» Miguel Sousa Tavares