Nos Passos de Santo António

de

16,00€ 14,40€

Neste livro, Gonçalo Cadilhe revisita um percurso feito há oito séculos e descobre um dos maiores viajantes da História de Portugal: Santo António. 

#3 TOP DE VENDAS. Um dos mais recentes bestsellers do escritor e viajante. 


PORTES: GRÁTIS DISPONIBILIDADE: Em Stock
ISBN: 9789897243233 Páginas: 192 Dimensões: 23.50 x 15.50 x 1.50 cm Peso: 550 Categoria: Temática:

António, o santo português de Pádua, viajou durante dez anos numa época em que as estradas tinham desaparecido, o sistema cambial ainda não fora inventado, os idiomas não se traduziam em dicionários, os mapas não existiam. 
Gonçalo Cadilhe refaz a grande viagem deste franciscano, que durou os últimos dez anos da sua vida, e dá-nos toda a atmosfera do início do século XIII: a Reconquista Cristã, o espírito das Cruzadas, a guerra civil entre o Papa e o Imperador e a amizade com São Francisco de Assis. 

Para Gonçalo Cadilhe, o português de Pádua é um dos maiores viajantes da história de Portugal, ao nível de Fernão Mendes Pinto e Pêro da Covilhã. Uma das coisas extraordinárias que o autor descobriu sobre António é que o seu processo de canonização não refere de modo nenhum dotes sobrenaturais ou ações milagreiras. Pelo contrário, o homem torna-se santo pela sua ação apostólica e missionária. Ou, por outras palavras, a santidade de António deve-se sobretudo à sua vida de divulgador e viajante.

Este olhar inédito sobre o santo português não é o de um devoto, nem o de um historiador, nem o de um antropólogo da religião. É o olhar de um viajante que, oito séculos depois, reconstitui o itinerário fundamental da vida do santo recorrendo a várias fontes históricas e aos percursos consagrados na época.

Enquanto eu ia recuperando um itinerário antigo de oito séculos, tentava encontrar igrejas, monumentos, quarteirões, paisagens, passagens, que pudessem ser significativamente semelhantes aos que o meu compatriota teria visto, vivido e experimentado. (…) O desembarque em Hipona, na Argélia, a cidade do seu mentor Santo Agostinho, uma hipótese que coloco de maneira fundamentada no respetivo capítulo, é outro dos lugares que certamente terá emocionado o meu compatriota tanto quanto me emocionou a mim. Chegar por mar, de madrugada, com uma luminosidade puríssima, à Sicília, foi um dos momentos mais bonitos da minha viagem, refere o escritor.