O Império Português

de

18,80€ 11,28€

Vencedor do Prémio D. João de Castro.

Uma obra de grande fôlego sobre a construção do primeiro império global. Uma potência baseada na difusão de ideias, bens e pessoas.


PORTES: Sujeito a portes DISPONIBILIDADE: Em Stock
ISBN: 9789897243318 Páginas: 352 Dimensões: 23.50 x 15.50 x 2.40 cm Peso: 546 Categoria: Temática:

O conceituado historiador Russell-Wood não teve dúvidas quanto às razões que tornaram Portugal uma potência mundial. Entre outras, destaca a capacidade dos portugueses de identificar pontos estratégicos no comércio e na geopolítica que coincidiam com os interesses imperiais e a habilidade para determinar com precisão a força militar necessária para vencer cada batalha. Além desta invulgar capacidade para se adaptar facilmente às necessidades de dada situação comercial ou militar, Russell-Wood salienta também a ambiciosa rede de transportes – marítimos, terrestres e fluviais - utilizada pelos portugueses. 

O Império Português - O Mundo em Movimento (1415-1808) sintetiza toda a história da ascensão, auge e declínio do império lusófono, tendo o autor evitado a tendência historiográfica para examinar segmentos geográficos ou pedaços temporais deste vasto período de vários séculos. Nele se encontra uma abordagem original da História, baseada no movimento de pessoas, bens e ideias pelos quatro continentes. Em vez de optar pela tradicional ordem cronológica, Russell-Wood optou por desenvolver capítulos temáticos, que vão desde a circulação de mercadorias (cap. IV), a difusão da flora e da fauna (cap. V), a transmissão de estilos, costumes e ideias (cap. VI) até ao desenvolvimento nas letras e na imagem (cap.VII). 

Este império merece ser estudado não apenas per se, mas como uma rica fonte de história cultural cruzada e comparativa. A. J. R. Russell-Wood

«As contribuições dos portugueses para a História mundial. (…) Esta obra apresenta uma imagem viva dos comerciantes, missionários e administradores que se deslocavam pelos continentes e oceanos para manterem vivo o oceano.» Times Literary Supplement